25 de jun de 2008

(...) para você em confidência

Se eu fosse escolher o que queria ao certo para minha vida, não chegaria a nenhuma conclusão. Sendo assim, pontuo o que em você,me faz sentir assim, tão...

Primeiro, que nunca achei que nos encontraríamos dessa forma; segundo, que me sinto imensamente feliz por essa surpresa. O jeito que acordo e penso o dia. Tudo novo de novo. A risada que dou das nossas conversas descabidas e descabeladas.

Esquentar um simples pão com você, ganhou outro sentido.
Não não, isso não é uma declaração.
É somente a forma que consegui externalizar e dizer para eu mesma entender o quão a vida é feita de coisas simples e valiosas.

Insisto em não ver passado e nem tentar adivinhar o futuro.Confesso que às vezes me escapole tal lucidez. Mas quando me pego no presente,olhando e sentindo você por perto, repito para que os corredores da minh’alma ecoem:já valeu a pena!

E que assim, sem muitas firulas, a gente continue sendo a gente. Fazendo de 'nós', dois

inverno/de um ano/bom

Nenhum comentário: